0 Flares Facebook 0 Filament.io 0 Flares ×

Sempre sonhei em ir ao Canadá, então escolhi a charmosa e bilíngue Montreal para começar a minha viagem pelo território canadense, ao chegar à cidade é possível se deparar com antigas arquiteturas, parques, bistrôs com mesas e cadeiras ao ar livre e o requinte parisiense, também se comunicar em francês e inglês, já que a maioria da população fala os dois idiomas.

Antes de tudo, ao decidir ir ao Canadá é necessário tirar o visto canadense, no meu caso, fiz tudo pela VFS Global localizado no centro da cidade do Rio de Janeiro, custou cerca de 400 reais. Fiquei bastante apreensiva, mas deu tudo certo, a aprovação saiu em 15 dias. E lá estava eu pronta e feliz pra conhecer o Canadá, em especial, Montreal, por falarem francês e lembrar muito Paris.

Com o visto aprovado, tinha o segundo desafio, o voo, já que julho é alta temporada e já faltavam cerca de 5 meses. Infelizmente não há voo direto para o Canadá, tive que fazer uma conexão no Panamá. Mas, apesar da conexão, a viagem foi bem tranquila, viajei pela Copa Airlines. Decidi ir no verão porque se assemelha ao clima tropical do Rio de Janeiro. Dei sorte, pois existem diversas programações pela cidade como feiras, shows e atrações ao ar livre.

A reserva do hotel foi feita pelo booking, escolhi o Best Western Plus Montreal, o café da manhã era excelente e limpeza impecável, além da boa localização na Place D’arts e estação de metro bem perto. Lembrando que a moeda utilizada é o dólar canadense, bem mais barato que o dólar americano, o que também facilitou muito. (Câmbio – 1 dólar canadense = R$ 2,59). O primeiro dia de passeio foi na região mais antiga de Montreal, nesta região histórica estão localizados pontos turísticos com parques e área verde a margem do Rio São Lourenço, além da Catedral de Notre Dame na praça das armas, principal praça de Montreal.

A cidade tem bastantes restaurantes desde fast foods à culinária clássica. É possível almoçar em restaurantes que oferecem valores mais econômicos em torno de 15 dólares canadenses e em torno de 25 dólares canadenses em restaurantes mais caros. A região central concentra boa parte dos restaurantes, não esqueça de comer o Poutine, comida típica canadense que consiste em um molho de carne com batatas fritas e coalhada de queijo. Após o almoço, aproveitei para conhecer a Chinatown de Montreal, no local tem vários restaurantes e lojas com souvenirs da China, vale a pena a visita.

No finalzinho do dia, dei uma passadinha na tradicional cafeteria Juliette & Chocolat para degustar o famoso milkshake de Nutella, fica localizado na rua boulevard St- Laurent.

No dia seguinte, a pedida foi uma visita ao Parque Mont Royal, a área do parque é bem extensa, é possível alugar bicicletas, caminhar, correr ou até mesmo fazer piquenique. Já o mirante, também localizado no parque, é o ponto mais alto da cidade onde é possível contemplar uma linda vista panorâmica. O local de visitação é gratuito.

No terceiro dia, fui ao Complexo Olímpico, Biodôme e ao Jardim Botânico, o complexo olímpico foi construído para os jogos olímpicos sediados no Canadá. Dentro do Complexo foi criado o Biodôme onde são reproduzidos os quatro ecossistemas encontrados nas Américas, todos os ecossistemas são climatizados e exibem a realidade das regiões, o valor da entrada ao Biodôme é cerca de 20 dólares canadenses, já a entrada ao complexo olímpico é gratuita.

O Jardim Botânico, fica ao lado do complexo olímpico, possuindo uma coleção de 22 mil espécies de plantas, 10 estufas de exibição e 30 jardins temáticos, funciona de segunda a domingo das 9h às 21h, o valor da entrada é cerca de 16 dólares canadenses.

Neste mesmo dia, aprovei para ir ao Mirabel Premium outlet que é um dos mais visitados e tem grande variedade de grifes a preços acessíveis. É necessário alugar um carro, pois fica um pouco afastado.

No quarto dia dei um pulinho ao Mercado Municipal (Marché jean-talon), um mercado aberto com variações de frutas, legumes e comidas típicas. Vale a pena conhecer. O mercado é aberto ao público.

Também aproveitei para ir ao Oratório que é considerado o maior santuário do mundo dedicado a São José, é necessário subir 283 degraus, o horário de funcionamento é das 6h às 21h:30. Também é possível apreciar Montreal de outro ângulo, lembrando que a entrada é gratuita.

O quinto e último dia foi da praia do relógio que fica próxima a Torre do Relógio. É uma praia artificial com areia, cadeiras e guarda-sóis. Só não é possível tomar banho, pois o local é cercado.

Pertinho da praia, pode-se fazer uma visitinha também a Biosfera, localizada na ilha Santa Helena, é um museu do meio ambiente símbolo da Expo 67. A esfera de aço abriga o único museu ambiental da América do Norte. A instituição conta com exposições e atividades que ajudam o visitante a entender questões ambientais e o desenvolvimento sustentável. A entrada é gratuita.

Não deixe de conhecer esta encantadora cidade ao leste do Canadá!

Boa Viagem!!!

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here