Fotos: Raquel Marques
0 Flares Facebook 0 Filament.io 0 Flares ×

Falta pouco para o primeiro grande objetivo: O trem para Machu Picchu e, assim, deixei a bagagem no Hostel de Cusco e só levei uma mochila com o necessário:

  • 1 troca de roupa, biscoitos, gatorade, água, lanterna, bastões de caminhada, capa de chuva, bota e os equipamentos fotográficos.
Fotos: Raquel Marques

Quase 1h40 de van por entre Vales verdinhos e montanhas imponentes e 1.000m abaixo de Cusco, cheguei 1h30 antes do meu trem em Ollantaytambo, o que foi ótimo pois aproveitei a parada para um lanche na rua das estação de Ollanta. Comi hamburguesa de pollo (frango) com fritas e um clássico refigerante peruano: Inca Kola por 13 soles.

Fotos: Raquel Marques

A cidade de Ollanta também oferece boa oferta de hostels e pareceu uma cidadezinha tranquila. Fica a dica para uma opção quem quiser ficar mais pertinho para a partida de trem.

A sala de embarque da Inca Rail é a mesma da Peru Rail, são as duas únicas alternativas confortáveis, sem andar por horas, para chegar em Machu Picchu Pueblo (antes chamada de Águas Calientes). Os valores são a partir de 55 dólares só ida. Então prepare o bolso para brincadeira. É possível comprar a passagem pela internet com toda a segurança e comodidade. Obviamente que tem as taxas brasileiras de IOF no cartão de crédito.

incarail.com

perurail.com

Fotos: Raquel Marques

A viagem é linda pelo Vale contornando o Rio Urubamba.Cerca de 1h40 de trem, o destino final é Machu Picchu Pueblo. Uma cidade que vive do turismo. Pessoas de todos os países e de todos os tipos: dos mochileiros aos turistas mais tradicionais, mas a maioria mesmo é de mochila.

O hostel escolhido foi o Adelas Hostel, Na Av. del Imperio Inka, 610. Super indico: conforto, banho quente com ducha, internet, TV a cabo e a vista para o Rio Urubamba. Sim, o rio passa pela janela e na frente outra montanha imponente. Ali você entende o quanto a natureza é gigantesca e forte.

Na cidade, se quiser comer com a vista para o rio, obviamente pagará mais caro. Subi as ladeiras. Por lá tem ofertas padrão: menu turístico ou menu mexicano (entrada, prato principal, suco ou sobremesa) variando entre 15 e 25 soles, mas ali tem um detalhe: todos os restaurantes cobram 20% de imposto. Não é gorjeta (propina): é imposto.

Então, Machu Picchu Pueblo é uma cidade mais cara. Água o dobro de Cusco, comida menos servida e um tempero industrializado. Não ache que encontrará uma sopa de quinoa com aquele gostinho caseiro, pois lá não tem. É bem turístico e alguns tem até gosto de sopa pronta de saquinho.

Aproveitando que desci 1000 metros (na altitude o álcool sobe rápido), parei para um happy hour. É um combo de bebidas pelo preço de uma. então vai reparar nas placas: 2×1, 4×1 ou 5×1. Sim, 2, 4 ou 5 bebidas por 20 ou 25 soles. Tem o típico pisco Sour, Cuba Libre, mojito, Piña Colada, cerveja e até “caipiriña”. (Na bebida não cobraram os 20%). Boa qualidade? Não é não, mas vale a farra de pagar 4×1, rs

Só andei um pouco a noite por entre os artesanatos (mais caros que Cusco) e pelas ladeiras, pois precisava dormir cedo (4h levantaria para subir M.Picchu).

 

Quem aí está gostando dos posts?

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here