Castelo de Praga, vista da Torre Petrin                                             (Foto: Fabrício Giglio)
0 Flares Facebook 0 Filament.io 0 Flares ×

Com muitas obras arquitetônicas e muita história em cada esquina, a capital da República Tcheca é um museu a céu aberto. Muito mais do que isso, pra mim, é um destino dos sonhos. A cidade foi uma das cidades que visitei na minha primeira ida ao velho continente, em fevereiro de 2016. Dizem que a primeira impressão é a que fica e meu contato número 1 com a Europa não poderia ter sido melhor. Obrigada, Praga, você foi (e sempre será) sensacional!

Abaixo, confira minhas dicas sobre o destino!

Praga: Vista da Ponte Carlos com castelo ao fundo (Foto: Fabrício Giglio)                        

Principal cartão-postal da cidade, a Charles Bridge carrega todo um misticismo e consegue ser ainda mais linda à noite, sob a luz da lua. A construção liga a cidade antiga (Staré Mesto) com Malá Strana e data de 1357. Localizada sobre o Rio Vltava, a ponte em estilo gótico abriga 30 estátuas de santos. Não deixe de passar a mão na placa de bronze, já toda degastada, de São João Nepomuceno. Dizem que dá sorte! Há quem aproveite para subir em uma das torres que cercam a Ponte Carlos, mas eu não subi. Já todos as outras atrações que menciono a seguir foram testadas e aprovadas por mim.

Confira o Grandioso City Tour por Praga.

Pare por alguns minutos para admirar o Relógio Astronômico, que marca as horas e de quebra mostra informações como a posição do sol, fases da lua e etc. O relógio fica na Cidade Antiga, mais precisamente na Torre da Prefeitura. Prepare suas pernas para subir os vários lances de escadas até o topo da torre. Aqui, você conseguirá admirar a cidade com seus tetos quase que monocromáticos de um novo ângulo, além de curtir uma vista privilegiada para outros pontos turísticos como o Castelo de Praga e a Praça da Cidade Velha. A entrada para a torre custa 250 coroas tchecas, que é a moeda local.

Praga: Relógio Astronômico (Foto: Fabrício Giglio)
Aliás, essa praça pode ser considerada o coração da cidade antiga. Dê uma esticadinha também até duas igrejas bem incríveis que ficam aqui: a Igreja de São Nicolas e a Igreja Nossa Senhora de Tyn, esta última é linda e tem arquitetura típica da República Tcheca.
Praga
Praga: Torre Petrin (Foto: Fabrício Giglio)

Um passeio que nem todo turista encara, mas que é super válido: a Torre Petrin, monumento que é uma espécie de Torre Eiffel, só que tcheca. A estrutura de ferro destoa do resto da cidade, mas a graça está, justamente, na vista que você tem durante o percurso da subida até o topo. Para chegar até o alto do Monte Petrin, dá para pegar uma trilha ou subir de funicular, que sai da Rua Újezd. Preço para subir: 130 coroas tchecas.

Praga: Castelo de Praga
Castelo de Praga, vista da Torre Petrin (Foto: Fabrício Giglio)

Não deixe de visitar também o Castelo de Praga, no alto de Malá Strana. Tão cheio de atrações, esse ponto turístico mais parece uma mini-cidade. Sua estrutura é considerada um dos maiores do mundo, com 570 metros de comprimento e 130 de largura. Aqui estão também a Catedral de São Vito, a Rua do Ouro e a Basílica de São George e o Antigo Palácio Real. O preço do ingresso vai depender das atrações que você optar em visitar, já que o complexo oferece ticket com entradas combinadas.

Impressionante é uma palavra que resume bem a experiência de ver de perto o Antigo Cemitério Judeu, no bairro judeu de Praga. O lugar é relativamente pequeno, mas conta com cerca de 12 mil túmulos. Algumas lápides estão dispostas, literalmente, em cima do outra. A entrada custa 500 coroas tchecas e dá acesso também às Sinagogas Velha-Nova, Pinkas, Maisel, Klausen e Espanhola.

Praga: Cemitério Judeu
As várias lápides no Cemitério Judeu em Praga (Foto: Fabrício Giglio)
Um dos símbolos da cidade, a Casa Dançante é uma estrutura bem interessante, que dá a impressão de estar em constante movimento. E por falar em estruturas inusitadas, confira também as obras do artista mega polêmico David Cerny. Entre elas, as mais famosas são o Busto de Franz Kafka (com suas 42 camadas que se movem), os bebês gigantes da Ilha de Kampa (que, diga-se de passagem, é um lugar bem arborizado e tranquilo para relaxar) e a estátua de Sigmund Freud pendurado. De tão realista, esta última imagem pode deixar muita gente em pânico.
Praga: Museu Kafka.
As polêmicas estátuas de Cerny no museu Kafka (Foto: Fabrício Giglio)
Pensou que deixaríamos Kafka de fora do roteiro?  O escritor tchecho tem um museu totalmente dedicado à sua vida e obra, aqui em Praga. Além de entrar no universo meio obscuro e intimista de Kafka, uma das atrações principais são as esculturas de dois homens mecânicos que urinam no mapa da República Tcheca. A obra só podia ser de quem? Do Cerny, claro. A entrada no museu custa 200 coroas.

Um lugar que serviu como ponto para protesto, durante a Revolução de Veludo. O Muro do John Lennon surgiu como um grito de Liberdade em meio aos anos de Comunismo. Multi colorido e totalmente grafitado, o cenário convida para várias fotos e selfies.

Praga: Muro John Lennon
John Lennon Wall em Praga (Foto: Fabrício Giglio)
 Dicas gerais

Praga é um bom destino durante todo ano, mas os períodos mais agradáveis para passear pela cidade são os que correspondem ao final da primavera e o início do outono na Europeu. As temperaturas mais amenas dessas épocas (media em torno de 13 graus Celsius) são perfeitas para curtir a capital da República Tcheca.

A capital tcheca é uma cidade segura, porém é preciso ficar atento à bolsas, mochilas, carteiras e pertences pessoais. Outra dica é NUNCA trocar dinheiro com pessoas nas ruas. Sim, você vai encontrar muita gente querendo fazer a “gentileza” de trocar euro pela coroa tcheca com uma cotação mais atraente, mas a probabilidade de cair em um golpe é bem grande. Por isso, opte por fazer a conversão sempre em casas de câmbio.

Além das mundialmente famosas cervejas do país, vale experimentar alguns pratos típicos como o trdelnik, uma espécie de pão doce assado no espeto e que é de comer ajoelhado. Algumas barraquinhas vendem essa delícia com sorvete ou Nutella. A culinária local também é composta por salsichas e carne de porco. E os preços são super convidativos, já que a moeda local é mais desvalorizada em comparação ao real. Na cotação da data de publicação do post, 1 real era o equivalente a 6,44 coroas tchecas.

Praga O trdelník tcheco
O trdelník tcheco (Foto: Fabrício Giglio)

Um trdelník tradicional, sem o recheio, custa uma média de 70 e 80 CZK. Uma boa dica para economizar ainda mais nas refeições é aproveitar a gastronomia de rua, nas barraquinhas espalhadas pela cidade. Uma espécie de hot dog (pão e salsicha com paprika, mostarda e ketchup) é uma das especialidades checas e custa cerca de 70 coroas. Já, para uma refeição completa, as opções mais econômicas podem custar entre 500 e 600 CZK.  A cerveja tcheca de 500ml, em um bar, custa umas 45 CZK.

Incrível, né?

Embora tenha um sistema de transporte público bem eficiente, Praga é um destino perfeito para se explorado a pé, enquanto percorre as ruelas da cidade antiga e vai avistando um prédio mais lindo (e antigo!) do que outro. Por isso, não deixe de incluir na sua mala sapatos e roupas bem confortáveis.

Praga é linda. Praga é histórica e um destino super queridinho para quem quer se aventurar pelo Leste Europeu. Seja você um mochileiro, um turista low profile ou exigente, Praga vai ser uma boa surpresa para você, assim como foi para mim.

 

PASSEIOS EM PRAGA? SÓ CLICAR AQUI.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here